5 - RESULTADOS

5.1.- INDICADORES ASSISTENCIAIS

1999

2000

2001

2002

2003

Leitos Ativados

778

817

819

847

847

S U S

760

798

800

825

825

Campus

608

638

635

663

663

Unidade de Emergência

152

160

165

162

162

Particular/Convênios

18

19

19

22

22

Leitos UTI - SUS

42

63

73

71

71

Campus

31

39

43

47

47

Unidade de Emergência

11

24

30

24

24

Consultas e Procedimentos

607.212

524.203

545.896

588.000

582.001

S U S

599.180

515.638

534.240

572.766

562.493

Campus

484.869

458.886

484.026

521.512

513.945

Unidade de Emergência

114.311

56.752

50.214

51.254

48.548

Particular/Convênios

8.032

8.585

11.656

15.234

19.508

Cirurgias/Partos

29.648

27.941

28.402

32.628

31.241

S U S

29.306

27.666

27.942

31.934

30.063

Campus

25.025

23.788

23.748

28.079

26.234

Unidade de Emergência

4.281

3.878

3.734

3.855

3.829

Particular/Convênios

342

275

460

694

1.178

Internações

36.294

34.639

33.822

34.810

33.656

S U S

36.175

34.337

33.506

34.363

33.190

Campus

21.742

21.941

21.387

21.989

20.848

Unidade de Emergência

14.144

12.134

11.827

12.109

12.108

Hospital Dia PQU/TMO/UETDI

289

262

292

265

234

Particular/Convênios

119

302

316

447

466

Exames Lab. Especial. e Procedimentos

2.483.678

2.380.279

2.452.927

2.766.315

2.848.143

S U S

2.480.777

2.374.249

2.442.262

2.748.753

2.831.871

Particular/Convênio

2.901

6.030

10.665

17.562

26.272

 

ATENDIMENTO SUS

 

 

 

 

CONSULTAS - SUS

Obs: A redução do número de consultas, cirurgias, internações e exames e procedimentos, em 2000/2001, está relacionada à implantação da descentralização do agendamento de consultas eletivas no HCFMRPUSP-Campus, quando foi viabilizado o Sistema de Referência e Contra Referência, e ao Sistema de Regulação de Vagas para atendimento de urgência e emergência, que acabou com superlotação que se verificava na Unidade de Emergência do HCFMRPUSP.

 

ATENDIMENTO SUS

 

INTERNAÇÕES - SUS

 

CIRURGIAS/PARTOS - SUS

 

EXAMES E PROCEDIMENTOS - SUS

 

ATENDIMENTO SUS

TRANSPLANTES REALIZADOS DO HCRP

1999

2000

2001

2002

2003

Rim

54

52

37

51

49

Fígado

3

5

3

Medula Óssea

30

22

26

28

34

Córnea

118

122

165

153

119

ANO

CÓRNEAS COLHIDAS

TRANSPLANTES

HCRP

CORNEAS CEDIDAS A OUTRAS INSTITUIÇÕES

1999

922

118

168

2000

899

122

213

2001

1.113

165

287

2002

1.411

153

314

2003

1.633

119

406

ATENDIMENTO

1999

2000

2001

2002

2003

Amb.de Assist.em Enfermagem

724

506

812

3.518

4.302

Fisioterapia

57.568

61.231

69.216

82.033

96.789

Fonoaudiologia

11.612

13.309

16.842

23.060

30.002

Nutricionista

1.203

1.034

1.105

1.461

1.727

Odontologia

5.662

4.581

6.411

5.051

4.668

Psicologia

10.556

13.209

19.022

18.258

16.979

Psicoterapia

535

694

972

808

628

Terapia Ocupacional

4.618

3.687

6.035

7.502

7.873

Serviço Social Médico

665.653

536.547

410.438

391.037

401.431

Total

758.131

634.798

530.853

532.728

564.399

Parte 3

 

Cirurgia inédita de Cardiopatia Infantil

O Serviço de Cardiologia Pediátrica do HCFMRP-USP obteve sucesso com uma técnica cirúrgica especial para tratar crianças com graves doenças cardíacas. A nova técnica cirúrgica é conhecida como "Cirurgia do Dr. Ross", a primeira aconteceu em abril, numa criança de 4 anos e a segunda em junho, num bebê de 50 dias de vida. Nas operações, foram utilizadas valvas pulmonares conservadas em estado de congelamento e fornecidas pelo Banco de Órgãos de Curitiba. Esta técnica é inédita no interior do Estado e envolve o trabalho de diversos profissionais, no pré e pós-cirúrgico.

Soluções como estas são importantes, pois o grande número de crianças portadoras de cardiopatias congênitas tem preocupado o Sistema Único de Saúde - SUS e a lista de espera pelos serviços em São Paulo é enorme, por isso a Sociedade de Cardiologia do Estado -SOCESP e Instituto do Coração - INCOR, incentivam o crescimento da Equipe do HCFMRP-USP.

Prêmio Passando a Limpo

A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do HC/Campus e Unidade de Emergência lançou em maio de 2003 a Campanha de Prêmio Incentivo ao Controle de Infecção Hospitalar "PASSANDO A LIMPO" Lavar as mãos e usar o álcool gel vale prêmio em dinheiro. O Prêmio tem o objetivo de alertar os profissionais da saúde para a importância da higienização das mãos na prevenção das infecções hospitalares.

Em setembro foi entregue a premiação para 12 (doze) áreas participantes da Campanha que obtiveram a redução do índice de taxas de Infecção Hospitalar. No primeiro mês, o Passando a Limpo reduziu a taxa global de Infecção Hospitalar em 61,4% e em 32% as taxas de infecção por bactéria multiresistentes aos antibióticos.

Classe Hospitalar

A Classe Hospitalar foi introduzida oficialmente no HC em 1997. É subordinada ao Serviço Social do HC e coordenada pela Secretaria Estadual de Educação. Sua proposta de atuação é a de promover o desenvolvimento social, emocional e cognitivo da criança dentro de uma proposta de humanização da medicina, além de dar continuidade ao processo de aprendizagem e contribuir para seu retorno e reintegração à escola regular após sua internação. Em 2003, o Programa Classe Hospitalar, atendeu 1.090 pacientes.

Treinamento para leigos em Parada Cardíaca

O Centro de Treinamento do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto realizou em Outubro, o "2 Curso de Atendimento de Parada Cardíaca", dirigido à população leiga, pois, segundo especialistas, em caso de parada cardíaca, o atendimento imediato pode manter a vida. Além disso, a maioria dos casos ocorreu em casa, na presença dos familiares. Assim, com este tipo de treinamento aumentam as chances de um socorro eficaz.

Aperfeiçoamento dos Processos do Ambulatório - APA

Foi apresentado em Outubro a todos os funcionários que atuam do Ambulatório do HC - Campus o Projeto APA "Aperfeiçoamento dos Processos do Ambulatório", coordenado pela Comissão Executiva Multiprofissional do Ambulatório CEMA e Assessoria Técnica, com a parceria da Escola de Engenharia de São Carlos/USP, visando avaliar, racionalizar e otimizar os fluxos das atividades e processos desenvolvidos no ambulatório, de forma participativa e democrática, para que as soluções de melhoria da qualidade contemplem todos os clientes internos e externos do HCFMRP/USP.

O projeto APA tem a sua metodologia desenvolvida em torno da avaliação, documentação, apresentação do modelo de ajustes, definição de estratégias, análise e proposição de ações de integração, planejamento e implantação. Este trabalho tem a previsão de ser realizado num período de no mínimo doze meses, com a participação das áreas envolvidas nos serviços de funcionamento do ambulatório.

Laboratório Central de Patologia Clínica ISO 9001/2000.

O Laboratório Central de Patologia Clínica que conquistou a Certificação ISO 9002/94, em Maio de 2002, conseguiu em dezembro de 2003 certificar o seu Sistema de Qualidade na versão ISO 9001/2000. O aprimoramento dos processos do Laboratório refletiu de forma positiva em várias unidades do Hospital que atuam como interface através da prestação de serviços diretos ao Sistema do Laboratório dentre elas, o CEMB Centro de Engenharia de Bioequipamentos responsável pela manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos e Divisão de Material Serviço de Compras e Almoxarifado.

Hospital Amigo do Meio Ambiente

O HC realizou em junho a 1 Semana do Meio Ambiente e lançou oficialmente o Programa Hospital Amigo do Meio Ambiente HAMA. O Evento teve como objetivo a conscientização dos colaboradores do HCFMRP, na importância da proteção ambiental com redução dos impactos ambientais negativos, resultante da prestação de serviços de saúde.

A Equipe de Gerenciamento Ambiental trabalhou arduamente para concretizar a reciclagem de papéis, vidros, metais, plásticos e outros tipos de resíduos que o Hospital expurga, o que está levando a longo prazo, uma conscientização ambiental de todos, dentro e fora do Hospital.

Gerenciamento de Risco

Ligado ao Centro Integrado da Qualidade, o Gerenciamento de Risco tem por objetivo contribuir com a vigilância sanitária hospitalar, atuando na prevenção de óbitos, agravos à saúde de pacientes evitando que produtos de má qualidade circulem no Hospital. Acompanha também, o desempenho e a eficácia de medicamentos, equipamentos, materiais e artigos médico-hospitalares, saneantes, sangue e derivados.

Os eventos prejudiciais à saúde de pacientes e profissionais relacionados aos produtos usados no Hospital estão sendo notificados à ANVISA, cabendo ao Órgão, a responsabilidade de suspender o registro de comercialização do produto, certificado por ela e retirá-lo do mercado, quando for o caso. Em 05 de novembro foi realizado o 1 Fórum de Gerenciamento de Riscos em Saúde, com o objetivo de divulgação das ações de gerenciamento de risco, do Projeto Hospitais Sentinelas, e de conscientização do HCFMRPUSP sobre importância da notificação nas áreas de Farmacovigilância, Tecnovigilância, Hemovigilância e Saneantes, que contou com a participação de funcionários e convidados.

Racionalização de Energia

A Comissão Interna de Racionalização do Uso da Energia -CIRE em consonância com o Programa Estadual de Racionalização de uso da Energia implementou e acompanhou várias medidas efetivas de racionalização do uso de Energia, tais como a substituição das lâmpadas, programação de um sistema de desligamento automático dos aparelhos de ar condicionado nos finais de semana, bem como a redução de números de elevadores no período noturno e também nos finais de semana, maior conscientização dos funcionários.

CIRA Comissão Interna de Racionalização de Água

A Comissão de Racionalização de Água - CIRA implementou várias ações efetivas de racionalização do uso de água, conscientizando os funcionários de toda Instituição. Essa conscientização é feita com visitas dos membros da comissão aos vários locais de trabalho do Hospital, levando informação e colhendo possíveis irregularidades para serem sanadas e coibindo os abusos. Foram realizadas palestras e também apresentação do grupo de teatro do Hospital, divulgação de matéria em jornal interno, mensagem nos holerites e panfletos. Providenciadas medidas de intervenção na infra-estrutura da rede de água, com substituição de equipamentos que geram economia, tais como torneiras com sensor fotoelétrico, torneiras de abertura controlada, válvulas com diminuição de vazão. Monitoramento das diversas áreas através da instalação de medidores para controle sistemático de consumo.

Realização dos Fóruns Interno e Externo

O Hospital das Clínicas da FMRPUSP realizou em Setembro dois Fóruns, um interno intitulado "Gestão do Hospital Universitário - o Ensino, a Pesquisa, a Assistência e a Inserção no SUS - o HCFMRP-USP e o SUS", e outro externo "O SUS e o Papel do Hospital Universitário na Rede de Atenção à Saúde - O SUS e o HCFMRP-USP".

Após as conferências, foi definida a Missão do Hospital: "Desenvolver práticas de Assistência, Ensino e Pesquisa em Saúde, considerando o sistema de saúde vigente e seus princípios, com qualidade e, com a meta de melhorar continuamente, buscando sempre a excelência. Compromisso público em garantir a segurança do paciente, a qualidade de vida no trabalho e a preservação ambiental, contribuindo, para a qualidade de vida da população". Assim, abriu-se um leque para futuras discussões.

Campanha da Cirurgia de Catarata

O Hospital das Clínicas realizou em novembro mais uma Campanha para Cirurgia de Catarata. O agendamento foi realizado pelos postos de saúde dos 25 municípios da Divisão Regional de Saúde DIRXVIII, incluindo as UBS e UBDS de Ribeirão Preto. Foram selecionados pacientes com idade acima de 60 anos, com baixa acuidade visual e diagnóstico para cirurgia de catarata. Dos 316 pacientes avaliados, 67 foram agendados para cirurgia.

Campanha de Prevenção de Câncer de Pele

O Hospital das Clínicas realizou também em novembro mais uma Campanha de Prevenção de Câncer da Pele. Foram avaliados 434 participantes, sendo 17 agendados para cirurgia, 6 para biópsia e 44 para outros procedimentos.

 

5.2.- DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

 

FAEPA

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do HCFMRP-USP

CNPJ/MF: 57.722.118/0001-40

CREMESP n 29237

Balanço Patrimonial

Em reais

ATIVO

31/12/2003

31/12/2002

PASSIVO

31/12/2003

31/12/2002

Circulante

23.853.954

21.055.936

Circulante

10.593.942

8.644.293

Disponibilidades

7.334.176

8.492.550

Fornecedores

8.831.621

6.047.262

Contas a receber

16.035.085

12.108.391

Obrigações tributárias

26.012

21.506

Outros créditos

466.239

454.994

Obrigações sociais

152.900

224.883

Desp antecipadas

18.454

-

Prov férias e encargos

1.582.572

2.350.279

Outras contas a pagar

838

363

Realizável a Longo Prazo

451.822

399.274

Exigível a Longo Prazo

1.491.105

1.524.184

Contingências judiciais

1.491.105

1.524.184

Permanente

9.474.033

10.049.417

Imobilizado

9.474.033

10.049.417

Patrimônio social

21.694.761

21.336.150

TOTAL DO ATIVO

33.779.808

31.504.627

TOTAL DO PASSIVO

33.779.808

31.504.627

As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis

 

 

Prof Dr Amilton Antunes Barreira

Prof Dr Milton César Foss

Rita de Cássia Osório Alvares

Diretor Científico

Diretor Executivo

Contadora

CRC 1SP199735/O-4

 

 

 

FAEPA

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do HCFMRP-USP

CNPJ/MF: 57.722.118/0001-40

CREMESP n 29237

DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

Em reais

31/12/2003

31/12/2002

Receitas

84.215.195

89.756.936

RECEITAS OPERACIONAIS

83.957.297

88.408.236

Renda hospitalar SUS

68.645.296

70.076.323

Renda hospitalar-convênios

2.460.204

1.118.372

Renda hospitalar-particular

1.788.734

1.219.474

Bolsas e estágios

52.396

55.364

Projetos e pesquisas

2.321.516

745.295

Receitas com locações

1.237.934

1.108.257

Convênios públicos

1.083.126

3.685.251

Receitas com cursos e concursos

757.874

826.929

Receitas financeiras

1.887.609

1.539.374

Outras receitas

3.722.609

8.033.597

RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

257.898

1.348.700

Doações e verbas

116.793

76.637

Receitas com patrocínios

127.523

94.983

Receitas diversas

13.581

1.177.080

DESPESAS

83.856.584

94.160.426

DESPESAS OPERACIONAIS

83.856.584

94.126.060

Despesas com pessoal

31.249.760

32.284.309

Serviços de terceiros

2.114.657

1.919.770

Medicamentos e materiais

38.437.838

41.270.707

Repasses HCRP/FMRP

4.010.531

10.642.847

Despesas gerais e administrativas

7.141.425

7.075.748

Despesas com depreciação

884.408

839.828

Despesas financeiras

17.965

92.850

DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

-

34.366

Superávit (Déficit) do Exercício

358.611

(4.403.490)

As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis

 

 

Prof Dr Amilton Antunes Barreira

Prof Dr Milton César Foss

Rita de Cássia Osório Alvares

Diretor Científico

Diretor Executivo

Contadora

   

CRC 1SP199735/O-4

 

 

 

FAEPA

Fundação de Apoi ao Ensino Pesquisa e Assistência do HCFMRP-USP

CNPJ/MF: 57.722.118/0001-40

CREMESP n 29237

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

Em reais

31/12/2003

31/12/2002

ORIGENS DOS RECURSOS

Das operações

Superávit (déficit) do exercício

358.611

(4.403.490)

Depreciação do exercício

1.006.266

960.988

Baixa de bens do imobilizado

3.378

37.568

TOTAL DAS ORIGENS

1.368.255

(3.404.933)

APLICAÇÕES DE RECURSOS

Aquisições de bens no imobilizado ao custo

434.260

222.905

Reduções no exigível de longo prazo

33.079

1.181.491

Adições no realizável de longo prazo

52.548

23.550

TOTAL DAS APLICAÇÕES

519.886

1.427.947

Acréscimo (decréscimo) no capital circulante

848.369

(4.832.880)

Demonstração da variação no capital circulante

31/12/2003

31/12/2002

Ativo circulante

No final do exercício

23.853.954

21.055.936

No início do exercício

21.055.936

23.607.711

Variação

2.798.018

(2.551.775)

Passivo circulante

No final do exercício

10.593.942

8.644.293

No início do exercício

8.644.293

6.363.188

Variação

1.949.649

2.281.105

Acréscimo (decréscimo) no capital circulante

848.369

(4.832.880)

As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis

 

 

Prof Dr Amilton Antunes Barreira

Prof Dr Milton César Foss

Rita de Cássia Osório Alvares

Diretor Científico

Diretor Executivo

Contadora

   

CRC 1SP199735/O-4

 

 

 

FAEPA

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do HCFMRP-USP

CNPJ/MF: 57.722.118/0001-40

CREMESP n 29237

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO SOCIAL NO EXERCÍCIO

Em reais

31/12/2003

31/12/2002

Patrimônio social

No início do exercício

21.336.150

25.739.640

Superávit (déficit) do exercício

358.611

(4.403.490)

No final do exercício

21.694.761

21.336.150

As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis

 

 

Prof Dr Amilton Antunes Barreira

Prof Dr Milton César Foss

Rita de Cássia Osório Alvares

Diretor Científico

Diretor Executivo

Contadora

   

CRC 1SP199735/O-4

 

 

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 e de 2002

Em de reais

1. A Entidade

1.a.) Reconhecimento de utilidade pública

A Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo FAEPA, foi criada em 31 de Agosto de 1988 por um grupo de docentes da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP e da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP e de servidores do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP.

De Acordo com as disposições expressas, a FAEPA é pessoa jurídica de direito privado, de fins não lucrativos, com autonomia administrativa e financeira, com prazo de duração indeterminado, regida pelo seu Estatuto, o seu Regimento Interno e pelas normas do Código Civil e, no caso de sua extinção, em qualquer dos casos previstos em Lei, o seu patrimônio destinar-se-á ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP, sendo vedada à alteração de sua natureza, assim como a supressão dos seus objetivos primordiais.

A FAEPA foi declarada de Utilidade Pública através do Decreto Federal n. 2.994 em 19/03/99, da Lei Estadual n. 10.036 em 10/07/98 e Lei Municipal n. 6.166 de 23/12/91, Registrada no CNAS Processo n. 44006.001783/96-15, deferido em 29/06/99.

1.b.) Área de atuação e objeto social

A Entidade tem como finalidade:

1.c.) Administração

Conforme os estatutos sociais, a FAEPA é gerida por:

  1. O Conselho de Curadores;
  2. A Diretoria; e
  3. O Conselho Consultivo.

É vedada a remuneração, a distribuição de lucros ou bonificações, bem como quaisquer outras vantagens a Diretores, Conselheiros ou Curadores, decorrentes de funções, atividades ou competências que lhe são atribuídas por seu Estatuto.

1.d.) Manutenção financeira

Os recursos financeiros necessários à realização dos objetivos sociais são provenientes de:

 

2. Principais práticas contábeis

As presentes demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis emanadas da legislação societária, em conformidade com a Lei 9.249 de 26 de dezembro de 1995 e Instrução CVM Comissão de Valores Mobiliários n 248 de 29 de março de 1996. Dentre outras alterações publicada pela Lei 9.249/95, esta proibiu o reconhecimento da correção monetária para efeitos fiscais e societários a partir de 1 de janeiro de 1996

A seguir discriminamos as principais práticas adotadas pela FAEPA:

  1. Contas de resultado: As receitas e despesas são apropriadas pelo regime de competência;
  2. Aplicações financeiras: São registradas ao custo, acrescidas dos rendimentos auferidos até a data do balanço e não superam o valor de mercado;
  3.  

  4. Estoques: A Entidade não possui estoques e as aquisições de medicamentos e materiais são integralmente repassadas para uso exclusivo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP, sendo contabilizados como despesas de consumo;
  5. Ativo imobilizado: Os bens do imobilizado são registrados e demonstrados pelo custo de aquisição, sendo contabilizadas as depreciações devidas ao uso e desgaste natural dos bens pelo método linear e as correções monetárias previstas em legislações anteriores;
  6. Outros Ativos e Passivos Circulantes: Registrados pelos valores realizáveis ou exigíveis, conhecidos e calculáveis, atualizados, quando aplicável, por taxas e índices previstos em contratos;
  7. Contribuição ao INSS e impostos: Conforme legislação vigente, a FAEPA é uma entidade filantrópica e está isenta do pagamento da contribuição ao INSS (cota patronal) sobre o salário pago aos seus empregados e tributos.

 

3. Aplicações Financeiras

Referem-se, substancialmente a aplicações financeiras de curto prazo em Fundos de Aplicação e Poupança, que incluem a receita financeira liquida até 31/12/2003 e estão assim distribuídos:

 

Composição em:

2003

2002

 

Fundos de Aplicações Financeiras

 

  • Banco do Estado de São Paulo S/A

R$

4.156.039

4.538.709

 

  • Caixa Econômica Federal

R$

39.317

-

 

  • Bradesco S/A

R$

7.111

-

 

  • Nossa Caixa-Nosso Banco S/A

R$

130.451

1.884.356

 

  • Banco do Brasil S/A

R$

2.373.695

1.753.902

 

 

Aplicações em Poupança

 

  • Banco do Estado de São Paulo S/A

R$

20.724

13.699

 

  • Banco do Brasil S/A

R$

43.724

71.280

 

 

Total das aplicações

R$

6.771.061

8.261.946

 
 

Caixa

R$

310

310

 

Banco conta movimento

R$

562.805

230.294

 
 

Total do disponível

R$

7.334.176

8.492.550

 

 

4. Créditos com receitas ordinárias como segue:

Composição em:

2003

2002

 

Créditos do SUS

R$

15.174.431

11.094.737

 

Convênios atendimento médico

R$

645.775

318.895

 

Outros a receber

R$

214.879

694.759

 

Total de contas a receber

16.035.085

12.108.391

 

12. Patrimônio líquido

5. Ativo imobilizado

Demonstrado com base no valor original de custo deduzido da depreciação:

 

 

Bens

Taxas anuais de depreciação

 

 

Custo

Corrigido

Depreciação / amortização

acumulada

( - )

2003

Valor líquido

R$

2002

Valor líquido

R$

Biblioteca

10%

169.081

65.420

103.661

89.650

Máquinas Apar. Equipamentos

10%

6.353.774

4.175.041

2.178.733

2.658.944

Móveis e Utensílios

10%

1.336.555

372.066

964.489

993.496

Equipamentos Comp. Informática

20%

386.391

214.642

171.749

121.346

Veículos

20%

395.773

309.775

85.998

92.216

Benfeitorias estacionamento

2%

86.107

3.444

82.663

-

Benfeitorias - CCRP convenções

2%

6.132.014

245.280

5.886.734

6.093.758

Direito Uso Linha Telefônica

-

7

-

7

7

Total Imobilizado

14.859.702

5.385.668

9.474.033

10.049.417

6. Fornecedores

Referem-se a obrigações comerciais com fornecedores e prestadores de serviços discriminados:

Principais obrigações em aberto em 31 de dezembro de 2003

R$

NACIONAL COMERCIAL HOSPITALAR LTDA

371.292

JOHNSON & JOHNSON PROD.PROFISSIONAIS LT

330.864

BRISTOL MYERS SQUIBB FARMACEUTICA LTDA

303.072

SIEMENS LTDA

270.802

BECTON DICKINSON INDUSTRIAS CIRURGICAS LTDA

235.456

D.S. DIAGNOSTICO DA SAUDE COM.E IMP.LTD

210.593

MERCK SHARP & DOHME FARMACÊUTICA LTDA

209.915

BAXTER HOSPITALAR LTDA

206.766

AVENTIS PHARMA LTDA

188.664

LABORATORIOS B.BRAUN S/A

183.905

FRESENIUS KABI BRASIL LTDA

168.381

PRODUTOS ROCHE QUIM.E FARMACEUTICOS S/A

160.270

BENNATI DISTRIBUIDORA HOSPITALAR LTDA

145.515

Outros

5.846.126

Total de fornecedores

8.831.621

7. Concessão de gratuidades

Foram concedidas com observância do limite mínimo fixado pelo Artigo 3, parágrafo IV do Decreto n. 2.536, de 06/04/98, (Ex. Decreto n. 752, de 17/02/93), e com artigo 206 do Decreto n. 3.048, de 06/05/99, parágrafo IV, conforme demonstrativo comparativo extracontábil, indicado abaixo:

Demonstrativo de Gratuidades e Beneficências

Valor R$

Valor R$

Item

2003

2002

Receitas com atividades assistenciais

68.645.296

70.076.323

Receita Total

84.215.195

89.756.936

% do SUS e filantrópicos na receita operacional

81,51%

78,07

Internações contratadas pelo SUS

33.190

34.363

Internações totais

33.656

34.810

% do SUS e filantrópicos nas internações

98,62%

98,72%

 

O Desempenho Assistencial, em 2003 está a seguir demonstrado, conforme seus principais indicadores de atendimento:

Descrição

 

SUS

Particulares

e conveniados

Total

Geral

N

%

N

%

N

%

Leitos Ativados

825

97,40

22

2,60

847

100

Consultas

561.548

96,64

19.508

3,36

581.056

100

Cirurgias/Partos

30.063

96,23

1.178

3,37

31.241

100

Internações

33.190

98,62

466

1,38

33.656

100

Exames e Procedimentos

2.831.871

99,08

26.272

0,92

2.858.143

100

 

8. Isenções previdenciárias usufruídas

Em atendimento ao Parágrafo Único, Artigo 4 do Decreto n. 2.536, de 07/04/98, são demonstradas a seguir, os valores relativos a isenções previdenciárias, como se devido fosse, gozadas durante os exercícios de 2003 e de 2002:

Descrição

2003

2002

Cofins

R$

55.829

45.168

INSS sobre serviços de autônomos

R$

169.892

128.923

INSS sobre folha de pagamento

R$

3.504.384

2.404.282

Total das isenções usufruídas

R$

3.730.105

2.578.373

9. Provisão de férias

Constituída com base no período aquisitivo até a data base de 31 de dezembro de 2003, incluindo 1/3 constitucional e encargos de 8,5% de FGTS e 1% de PIS.

10. Contingências cíveis e trabalhistas

As contingências passivas existentes em 31 de dezembro 2.003 correspondem ao montante de R$ 1.491.105, se referem a processos de natureza trabalhista e cíveis, demonstrados no exigível de curto prazo, foram provisionados pela Administração em valor suficiente para fazer face ao pagamento em caso de eventual perda dos litígios. A referida está amparada tecnicamente na opinião da sua assessoria jurídica.

11. Seguros

A Entidade mantêm apólices para cobertura de seguros em montantes julgados suficientes para cobrir sinistros dos seus bens patrimoniais.

Apresentado em valores atualizados e compreende o Patrimônio Social inicial, acrescido dos Superávits ou diminuído dos Déficits e ajustes ocorridos.

13. Recursos

Os recursos da entidade foram aplicados em suas finalidades institucionais em conformidade

com seu Estatuto Social, demonstrados pelas despesas (custeio) e investimentos patrimoniais.

14. Receitas e despesas

As receitas da entidade são apuradas através de comprovantes de recebimentos, entre eles, avisos bancários, recibos e outros. As receitas estão apuradas, excetuando-se as inadimplências e/ou valores considerados incobráveis.

As despesas são apuradas através de notas fiscais, recibos, contratos e em conformidade com as exigências legais e fiscais.

15. Compensações

A FAEPA utiliza-se do Grupo Compensado em seus livros contábeis para registro e controle das gratuidades concedidas, do custo da isenção da quota patronal de Previdência Social usufruída e para outros controles de interesse da instituição.

Os valores alocados neste grupo não compõe os Ativos e Passivos da Entidade.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E ASSISTÊNCIA DO HCFMRPUSP-FAEPA, REFERENTES AO EXERCÍCIO DE 2003, FORAM APROVADOS PELO CONSELHO CURADOR EM SUA SEXAGÉSIMA SEGUNDA REUNIÃO ORDINÁRIA, REALIZADA EM 24.03.2004, E APRECIADOS PELO CONSELHO CONSULTIVO EM SUA SÉTIMA REUNIÃO ORDINÁRIA, REALIZADA EM 25.03.2004.

 


Voltar